VOCÊ NÃO ESTÁ NA PÁGINA PRINCIPAL. CLIQUE AQUI PARA RETORNAR



segunda-feira, junho 05, 2006

A Teologia da Cruz de Lutero.


Compreender o poder e a importância da cruz em relação a todas as áreas da vida é a chave para que haja saúde e plenitude na Igreja de Cristo . A decisão mais importante que um líder pode tomar é revelar o significado total da cruz.
Nenhum personagem histórico entendeu melhor e mais profundamente o poder da cruz que Martinho Lutero, o reformador do século XVI. A revolução teológica de Lutero algumas vezes se resume pela frase "justificação somente pela fé". Mas nem sempre valoriza-se o fato que a percepção da cruz de Lutero vai muito além de seu poder para salvar, pois inclui seu poder para nos ajudar a ver.
Alister McGrath, um teólogo de Oxford, definiu a teologia da cruz de Lutero como "uma das compreensões mais poderosas e radicais da natureza da teologia cristã que a Igreja já conheceu".
Se a vida e o ministério parecem um mistério para você, a cruz oferece uma resposta. O antigo enigma da cruz pode resolver os novos enigmas de nossa existência fragmentada neste mundo moderno.
Assim como uma bússola, a teologia da cruz de Lutero aponta para o progresso que de outra maneira poderíamos ignorar e rejeitar.
Mas de que maneiras a morte de Cristo oferece soluções para líderes confusos e cristãos igualmente confusos? O que Lutero queria dizer com "teologia da cruz"? Como os líderes podem aplicar
essa percepção hoje? Em seguida, analisaremos essas questões.
*
Lutero
*
Martinho Lutero (1483-1546) nasceu em um período em que a paixão pela verdade perdia sua força e as pessoas pareciam cada vez mais entediadas com o Evangelho. O cristianismo europeu estava em perigo. Três eram seus problemas mais sérios: cristãos inquietos, igrejas mundanas e reformadores moralistas.
Timothy George chamou o século XVI de "uma época de ansiedade". Essa ansiedade possuía três aspectos. O medo das doenças e da morte gerava uma ansiedade física (ôntica). O medo da culpa e da condenação e as respostas inadequadas da Igreja a esses terrores produziram uma ansiedade moral. O medo de que a vida não tivesse sentido nem propósito gerava uma profunda ansiedade existencial.
No século XVI e durante o final da Idade Média existia uma obsessão mórbida pela morte. O prospecto de punição no fogo do purgatório e do inferno aumentava o sentimento de culpa e de condenação das pessoas. O medo da anarquia e do caos aliado ao temor de um apocalipse iminente levantavam inúmeras questões sobre o sentido e o propósito da vida. A resposta da teologia popular a esses terrores era simples: esforce-se ao máximo e espere pelo melhor.
A libertação das ansiedades dessa era não vinha primariamente por Cristo, mas pelos esforços
da própria pessoa. Mas o quanto seria o suficiente? Que nível de perfeição uma pessoa precisava alcançar para receber a graça divina que tiraria uma alma ansiosa do abismo do medo? O cristão típico do final de Idade Média encontrava pouca ajuda para lidar com essas ansiedades. Os cristãos eram nervosos, e suas ansiedades cresciam continuamente.
A Igreja a que esses cristãos ansiosos recorriam estava mal equipada para confortar essas almas atribuladas. Nas classes mais altas, um sentimento crescente de secularização minava a Igreja e as estruturas paraeclesiásticas (escolas, ordens monásticas, ministérios e outras). Leão X (1475-1521) simboliza essa atitude. Ele fora eleito papa em 1513. Filho de Lourenço de Médici, o Magnífico, Leão era sincero em sua fé, mas as áreas em que apresentava as maiores fraquezas eram finanças e política. Leão gastava grandes somas patrocinando artes, música e teatro, e o dinheiro do papado estava acabando. Para financiar seu projeto mais extravagante, a basílica de São Pedro em Roma (incluindo a capela Sistina), Leão resgatou a prática de cobrar indulgências (receber dinheiro para reduzir a estada de uma pessoa no purgatório), o que precipitou a Reforma Protestante.
Ele excomungou Lutero em 1520, mas nunca analisou a profundidade do protesto de Lutero ou a extensão de seu impacto. Para Leão, o único problema real na Igreja era a falta de dinheiro. Esse papa também fazia política com o objetivo de aumentar o poder secular do papado. A situação era praticamente a mesma em toda a sociedade da época.
Todos os líderes da Igreja, desde os grandes até os mais humildes, caíam em três tentações muito comuns: dinheiro, sexo e poder.
Muitos procuravam reformar a Igreja para vencer os abusos de dinheiro, sexo e poder, e assim suprir as necessidades dos fiéis ansiosos. Numerosas curas para as mazelas da Igreja eram oferecidas.
Desidério Erasmo (1466 ou 1469-1536), o erudito mais famoso de seus dias, representava as pessoas que pediam uma reforma moral e espiritual. Influenciado pelos irmãos da vida comum, um movimento pietista que enfatizava a imitação de Cristo, Erasmo escreveu um grande número de obras populares e eruditas para tratar da moral decadente da Igreja e da sociedade. Os mais notáveis desses trabalhos foram A Inquirição (1501), o Elogio da Loucura - (Desponível aqui no blog) (1509) e a edição pioneira do Novo Testamento em grego (1516).
Erasmo e os humanistas clamavam por um estudo novo das Escrituras e dos pais da Igreja. Eles falavam contra abusos como as indulgências. Mas Erasmo e seus companheiros reformadores não conseguiram ver que os problemas da Igreja e da sua era resumiam-se à questão da verdade, que tinha suas raízes na teologia.
Um tipo diferente de reformador era necessário. Alguém que não apenas podasse os ramos, mas que pudesse atacar a raiz.
Durante os seus anos como estudante, Martinho Lutero demonstrou pouca preocupação por esses problemas ou as suas possíveis soluções. Ele entrou na Universidade de Erfurt para se tornar advogado e ajudar seu pai, Hans, no pequeno negócio de mineração da família.
Quando Lutero se formou na Universidade, em 1505, fez uma festa para seus amigos em um bar local para comemorar. Para o espanto de seus companheiros de bebedeira, Lutero anunciou que não iria exercer o direito, pois decidira ir para um monastério.
Seus amigos, a princípio, riram, pensando que aquela era apenas outra piada de seu alegre ex-colega de turma. Mas Lutero falava muito sério. A experiência que tivera com um raio que quase o matara durante uma tempestade, algum tempo antes, servia para lembrá-lo de sua mortalidade. Ele prometera a Santa Ana que se tornaria um monge se ela poupasse a sua vida. Suas orações foram atendidas e Lutero pretendia pagar sua promessa. Ele foi para um monastério agostiniano em Erfurt, em que procurou descanso para sua alma atribulada.
Mas o descanso que Lutero buscava parecia fugir dele. Ele desejava ter certeza de sua salvação, porém nenhuma quantidade de exercício religioso ou disciplina parecia ser suficiente para acalmar a sua consciência atribulada. Lutero rapidamente esgotou todos os meios católicos conhecidos para a obtenção da graça e viu que eles eram insuficientes. Nenhuma segurança plena poderia ser dada.
As ansiedades morais, físicas e existenciais de sua época eram grandes demais para a versão do Evangelho ensinada no final da Idade Média.
Johannes Staupitz, o superior de Lutero no monastério, ficou preocupado com a ansiedade de seu colega e sugeriu que Lutero parasse de olhar para si mesmo e olhasse para a Bíblia. A partir de 1510, Lutero passou a ser um aplicado estudioso das Escrituras. Seu esforço foi tão grande que ele acabou nomeado professor de Bíblia na Universidade de Wittenberg, uma pequena escola com sessenta alunos e pouca reputação ou futuro.
Em algum momento entre 1514 e 1516, enquanto fazia seus estudos do Livro de Salmos e de Romanos, Lutero "descobriu" que somos justificados somente pela fé, ou seja, Deus nos declara perfeitamente justos aos seus olhos, sem levar em conta a nossa condição atual (que seria insuficiente). Com base apenas na perfeição do sacrifício de Jesus, que é colocada sobre nós e que recebemos como herança, somos considerados justos aos olhos de Deus. Em outras palavras,
pagamos nossas contas com Deus por meio da fé no que Cristo fez, e não com base naquilo que fizemos.
Para um monge esgotado espiritualmente, que vivia em uma época contaminada pela ansiedade mal resolvida, a verdade da justificação pela fé parecia ser uma cura milagrosa.
Lutero escreveu que, quando entendeu que a justiça de Cristo é imputada (transferida) sobre nós, os "portões do paraíso" pareciam se abrir diante de seus olhos.
Lutero agiu rapidamente e decidiu compartilhar sua descoberta com os demais cristãos nervosos da Europa. Ele pregou suas "Noventa e Cinco Teses" (protestando contra a cobrança de indulgências e o afastamento da verdade pela Igreja) na porta da igreja do Castelo, em 1517, dando início à Reforma Protestante. Lutero travou debates públicos acirrados com João Eck em 1519, na cidade alemã de Leipzig.
Em 1520, desafiando a excomunhão papal que recebera, Lutero escreveu seus magníficos tratados que incitaram a Reforma: Do Cativeiro Babilônico da Igreja, Apelo à Nobreza Cristã da Nação Alemã e o mais bombástico de todos, Da Liberdade do Homem Cristão. "Aqui estou!", bradou ele em 1521, enquanto desafiava o santo imperador de Roma Carlos V, recusando-se a negar a sua nova descoberta. As explosões o seguiram até a sua morte, em 1546 — explosões espirituais que revolucionaram a Europa e tiveram grande impacto em todo o mundo conhecido, e continuam ecoando em nossos ouvidos até hoje.
*
Paradoxo e a Teologia da Cruz.
*

Em contraste com os anos "de fúria" da vida de Lutero, 1518 parece ter sido um sussurro silencioso e ignorado. Quando contamos a história de Lutero, é fácil passarmos desapercebidos pelo que ocorreu naquele ano, mas isso seria um grande engano. Durante a convenção dos monges agostinianos em Heidelberg, em 1518, Lutero pronunciou as palavras que têm periodicamente sacudido a igreja desde então. Seus pensamentos eram uma meditação ampliada do texto de 1 Coríntios 1:25: "Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens". Lutero sabia que as idéias de Paulo sobre a cruz ofereciam uma percepção completamente nova de Deus.
Lutero também descobriu que a chave para entendermos a verdade bíblica à luz da morte de Jesus é que Deus agora fala por meio de um paradoxo. Paradoxo é uma declaração que parece ser contraditória, mas na realidade apresenta uma verdade profunda. Por exemplo, Cristo disse quem acha sua vida perdê-la-á; (Mt 10:39). Para a maioria de nós, isso parece confuso. Mas está claro o que Jesus queria dizer. Para encontrar a vida verdadeira, devemos abrir mão de nossa
independência e entregar nossas vidas a ele.

Preste muita atenção. Se eu quero entender a Bíblia hoje, preciso aprender a pensar usando paradoxos. A teologia cristã falha quando utiliza apenas a lógica linear. O caminho para a verdade suprema é como uma estrada que sobe a montanha, cheia de curvas e com um vento incessante. A percepção que Lutero tinha da cruz ilustra a maneira como devemos pensar, se realmente desejamos entender a verdade das Escrituras. O paradoxo presente nos pontos que examinaremos a seguir é de que Deus faz as coisas usando o seu oposto. Ele faz algo surgir a partir do nada. Ele ganha quando perde. Ele nos exalta quando nos humilhamos. Ele transforma as sextas-feiras da paixão em domingos de Páscoa. Ele age de maneira oposta ao que a humanidade espera, segundo a lógica, que um Deus onipotente agiria.
Lutero ajudou a restaurar o amor pela verdade bíblica ao colocar a cruz de Cristo no centro da teologia cristã. Durante séculos, a teologia medieval tentou conciliar a filosofia grega com a teologia genuinamente cristã. O estado doentio da Igreja fez Lutero ver que essa tentativa havia fracassado. Enquanto estudava as epístolas de Romanos e Coríntios, ele descobriu um fato surpreendente: Deus trabalha usando opostos. A única salvação segura é aquela que renuncia às
obras. A força de Cristo foi revelada na morte de Cristo.
Quando estamos fracos é que somos fortes. Lutero viu que o Evangelho estava recheado de paradoxos. Se não entendermos essa idéia central do paradoxo divino, Lutero não fará sentido para nós e, o mais importante, as verdades mais profundas da Bíblia estarão fora do nosso alcance. Portanto, fique firme quando se deparar com os paradoxos da mensagem da cruz e não desista. As reviravoltas podem ser drásticas, mas elas nos levarão ao alto da montanha, de onde teremos uma nova visão da verdade.
*
O Paradoxo de Deus
*
Voltemos a Heidelberg. Olhando para o texto de 1 Coríntios 1:25 como um garimpeiro à procura de ouro, as palavras de Lutero se assemelhavam a pepitas para aquela assembléia solene de monges

Ele descreveu a teologia da cruz que ofereceu uma nova maneira de ver a salvação, Deus, a realidade, o sofrimento, a igreja e a própria teologia. Qual era a essência dessas coisas? "Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens" (1 Co 1:25).
A partir desse verso e de seu contexto, Lutero apresentou muitas propostas que entendia serem capazes de atingir o centro do mistério de Deus e da perdição da humanidade. Naquela ocasião, ele proferiu um discurso que passou a ser conhecido como o "Debate de Heidelberg", em que apresentou várias teses diante dos religiosos ali reunidos.
O que a cruz nos diz a respeito de Deus? Essa é pergunta que Lutero fez e que também deveríamos fazer. Mas Lutero não chegou ao cerne de sua resposta tratando da "pergunta sobre Deus", até que chegou em sua 19ª tese. Se algum daqueles monges agostinianos estava cochilando enquanto as 18 primeiras foram lidas, Lutero acordou a todos quando leu a próxima.
Ele começou atacando a maneira como falamos sobre Deus. "Não pode ser chamado de teólogo" aquele que descreve a natureza de Deus e seus atributos "com base nas coisas que foram criadas".
O que há de errado em falar sobre Deus conforme nossas observações sobre a vida e a natureza? "O conhecimento de todas essas coisas", insistiu Lutero, "não torna ninguém nem digno nem sábio". Isso equivale a dizer que as especulações sobre Deus baseadas em dias de sol ou em sistemas solares não mudam os nossos corações. Idéias arrogantes, por mais belas ou impressionantes que sejam, não podem salvar as nossas almas.
Lutero chamou toda teologia baseada em especulação humana e em teologia natural de "teologia da glória". Existem vários tipos de teólogos da glória. Um professor de escola bíblica dominical de
sessenta anos ou um anjinho de seis anos de um presépio vivo podem ser agentes dessa teologia que faz tanto mal às nossas almas.
Paul Althaus, um erudito especializado em Lutero, escreveu: "A teologia natural e a metafísica especulativa que procuram conhecer a Deus pelas obras da criação estão na mesma categoria que as obras de justiça dos moralistas".
Em outras palavras, falar sobre Deus com base primariamente no que pensamos sobre suas obras gera o orgulho dentro de nós. Essa teologia da glória "leva o homem a ficar perante Deus e propor uma barganha baseada em suas conquistas éticas em cumprir a Lei".
A teologia ou o louvor feitos de maneira errada podem gerar uma praga, o orgulho espiritual —
algo que Deus odeia.
Qual é a alternativa? Nós precisamos falar sobre Deus e pensar sobre a sua glória como se fôssemos adorá-lo e servi-lo. O que Lutero sugere que façamos? Essa maneira de pensar e falar sobre Deus que conduz a uma vida espiritual intensa e evita o orgulho espiritual mortífero é bastante estranha. Lutero nos diz isso firmemente em sua tese número : "Antes, só pode ser chamado, com justiça, teólogo quem apreende as coisas visíveis e escondidas de Deus a partir da paixão e da cruz". Qual é a o lado visível de Deus? "Essas partes visíveis são a humanidade de Deus, sua fraqueza e sua loucura".
Por que o nosso Deus glorioso e todo-poderoso deseja ser entendido em termos de fraqueza e loucura? Como podemos adorar a um Deus tomado pela loucura? A resposta de Lutero parece dolorosa: "Pelo fato de os homens usarem errado o conhecimento de Deus que eles obtiveram por suas obras, Deus determinou que seria conhecido pelos sofrimentos". Por que os sofrimentos existem? Porque não nos beneficiamos de nosso conhecimento natural de Deus ("penso que Deus é desse ou daquele jeito"), a menos que ele seja conhecido "nahumilhação e na vergonha da cruz".
A maneira correta de entender Deus é olhar para a cruz e não meditar sobre a Via Láctea, pois ela nos confronta com duas verdades que de outra maneira não iríamos encarar: primeiro, somos inimigos de Deus; e segundo, Deus amou os seus inimigos em Cristo. Conhecer a Deus pela fraqueza e a loucura da cruz nos humilha, porque foi a nossa fraqueza, a nossa loucura e a nossa vergonha que Deus carregou sobre si quando subiu na cruz. Deus na cruz se torna um retrato apropriado da humanidade como ela verdadeiramente é; fraca, impotente diante da morte, mas ainda sob o julgamento da morte.
Nossos pensamentos arrogantes sobre Deus se transformam em um jogo sujo, no qual procuramos tomar o lugar de Deus. Por isso, a aparência de Deus como um tolo derrotado é como um jogo, onde ele dá vida em lugar da humanidade caída. A cruz é um microscópio que localiza Deus no emaranhado de nossa pecaminosidade fraca e tola e seu amor vulnerável e imerecido para esses inimigos.
Conhecer a Deus pela cruz é conhecer o nosso pecado e seu amor redentor. Mas esse tipo de conversa sobre Deus não beira a blasfêmia? Como podemos apresentar imagens de um Deus tão fraco e louco e continuar a adorá-lo? Lutero proclamou que a glória de Deus é ampliada, não diminuída, quando pensamos e falamos sobre ele nos termos da crucificação. Como? "Deus mostra que ele é Deus", explica Althaus, "precisamente no fato de que ele é poderoso na fraqueza, glorioso na humilhação, vivo e vivificado na morte".9 Somente Deus é grande o suficiente para ganhar perdendo. Somente Deus é amoroso o suficiente para amar o que não pode ser amado. Somente Deus é eterno o suficiente para ser tragado pelo tempo e pela morte e ainda sobreviver para contar como foi. A cruz intensifica o rei divino que bancou o louco para acabar com a loucura do pecado e da morte.
O que toda essa conversa sobre a loucura e a fraqueza de Deus significa para nós? Significa que tudo o que dizemos sobre Deus na adoração e na pregação deveria ser moldado pelo vocabulário da cruz. Como pecadores, não temos o direito de adorar os atributos de Deus como santidade, infinitude e soberania até que nos quebrantemos e nos arrependamos diante de seu amor, que custou tão caro quando foi proclamado na cruz. A adoração ou a pregação que faz as pessoas sentirem-se bem consigo mesmas ou satisfeitas com suas palavras e pensamentos arrogantes sobre Deus é uma adoração da glória que condena nossa alma e nos separa de Deus. Mas a adoração e a pregação que consideram em primeiro lugar o paradoxo da derrota aparente do Rei dos reis na Sexta-feira Santa serão ressuscitadas para ter uma nova vida pascal.
Desse modo, Deus jamais deve ser conhecido pelas circunstâncias. As circunstâncias freqüentemente são confusas e, algumas vezes, negativas. Não iremos entendê-lo a menos que procuremos por Deus onde ele está mais escondido — nas sombras escuras da fraqueza aparente e da derrota que envolvem a morte de Cristo na cruz.
*
O Paradoxo da Salvação
*
O mundo está cheio de religiões que desejam construir escadas para que a humanidade possa subir até Deus. O cristianismo, invejando as conquistas e a força das religiões rivais, pode ser seduzido a seguir o mesmo caminho e se transformar em uma religião de boas obras e
análises de desempenho dos fiéis. O sistema de salvação medieval que Lutero herdou, quando ainda era um jovem sacerdote, tentou fazer esse tipo de reformulação.
Gabriel Biel, um teólogo do século xv cujos ensinamentos sobre a salvação influenciaram a geração de Lutero, falou sobre a "centelha de Deus" dentro de cada pessoa. Se fizermos o melhor que pudermos, continuava o ensinamento, Deus soprará essa centelha de divindade dentro de nós, e a cada dia ficaremos mais cheios de santidade e amor.
Figura 1. A compreensão medieval de que a cruz havia conquistado
apenas a salvação e a união parcial com Deus:
Todo o amor de Deus por nós,
porque somos merecedores
O amor inicial de Deus em Cristo;
nos faz começar uma viagem que
nos fará aceitáveis aos olhos de Deus
Humanidade em seu pior estado.
Escada das conquistas humanas onde
nos tornamos aceitáveis aos olhos de Deus.

Segundo este esquema, pela graça e boas obras poderemos subir a escada da conquista religiosa e moral até o ponto em que Deus ficará tão impressionado com nosso desempenho que nos declarará justos e nos recompensará com o dom da vida eterna no céu (assim evitamos os tormentos do purgatório — veja a figura 1).
Se conseguirmos subir essa escada, o sacramento da penitência estará lá para nos segurar. A
confissão a um padre, aliada ao medo da punição, é o suficiente para garantir que o penitente suba outro degrau dessa escada.
Esse sistema de "subir a escada" fracassou para Lutero. Por mais que tentasse, sempre acabava machucado e cansado ao pé da escada, irado com Deus e desesperado pela sua salvação. Porém, uma nova compreensão da cruz mudou isso tudo (veja a figura 2). O amor de Deus por nós é demonstrado quando Cristo subiu essa escada das conquistas religiosas e morais em nosso lugar, depois se encontrou conosco em nosso estado de pecado, ira, derrota e juízo e tomou o nosso lugar. O amor redentor de Deus é dado no início da escada, para os peregrinos aleijados, e não no alto da escada, para os superheróis espirituais.

Figura 2. A revelação evangélica de Lutero: a cruz como uma nova maneira de ver a salvação:
O amor de Deus por mim é
pleno e final no meu pior estado
por causa da sua
alegria e satisfação em Cristo. O amor
de Deus é certo porque
nunca está fundamentado
em mim, mas somente em Cristo
A escada das conquistas se
transforma na escada da
graça e da gratidão
A cruz como base para a
justificação perfeita e
união perfeita.

Deus rejeita os belos heróis e derrama ser amor justificador sobre os feios fracassados. O pecador no início da escada precisa apenas crer para que possa ser liberto.
Lutero estava tão entusiasmado com esse aspecto da teologia da cruz que se dedicou a essa área com mais afinco. "Cristo, que é percebido pela fé", disse ele ao seu público formado por monges agostinianos, "é a justiça cristã. Por causa dele Deus nos fez justos e garantiu a nossa vida eterna". Os cristãos são justificados diante de Deus, portanto, apenas quando abrem mão de sua própria justiça.
A teologia da cruz, aplicada à questão da salvação, transformou o meu entendimento. A morte de Cristo é a conquista que me salva, não os meus passos atrapalhados nessa escada da salvação. A menos que eu viva pela fé na conquista dos eventos ocorridos na Sexta-feira da Paixão e comprovada pelas surpresas do Domingo de Páscoa, jamais entenderia como Deus pode justificar e aceitar como seu filho um pecador que merece a maldição, e não sua benção. Mas quando aprendo a ver Deus e sua salvação na perspectiva da cruz, vejo as coisas de uma maneira diferente.
O princípio da cruz é que Deus faz as coisas de maneira surpreendente e contraditória. Para inspirar o nosso louvor, ele usa as vestes engraçadas da fraqueza e da loucura. Para fazer tudo, ele parte do nada. Para livrar os pecadores, decide ser derrotado por eles.
Quando me acostumo a essa maneira esquisita de ver as coisas, a salvação se torna clara e maravilhosa. Posso estar seguro de que sou justo aos olhos de Deus, porque ele também é esquisito, pois me vê segundo a morte vicária de seu filho. Por esse motivo, posso ter confiança no amor de Deus quando perco toda a confiança em meu próprio amor. Posso estar cheio de alegria em Deus, mesmo quando fico desesperado ao olhar para mim mesmo.
O que isso tudo significa para nós? A teologia da cruz deveria mudar o nosso modo de ver a salvação. Se desejamos que nossas igrejas abriguem corridas pela superioridade moral e espiritual, podemos silenciar a teologia da cruz enquanto tentamos subir a escada da justiça própria.
Todavia, se queremos encher nossas igrejas de pessoas que brilhem com a glória, gratidão e confiança inabalável no amor e na aceitação por parte de Deus, devemos ensinar essa teologia da
cruz e a estranha maneira de Deus fazer pecadores quebrantados se tornarem santos completos.
*
O Paradoxo da Realidade
*
As primeiras 21 teses apresentadas por Lutero em Heidelberg Disputation levaram a cruz a uma nova direção. "A teologia da glória", declarou ele, "diz que o bom é ruim e o ruim é bom". Em contraste, "a teologia da cruz" denomina as coisas "como elas realmente são".
Do que Lutero estava falando? O raciocínio de Lutero seguia uma determinada lógica. Para ele, os teólogos da glória, além de entender mal Deus e a salvação, pois não conseguiram ver as coisas pela perspectiva da cruz, também distorceram o restante da realidade, avaliando tudo de maneira errada.
Paul Althaus explica o pensamento de Lutero: A verdadeira realidade não é o que o mundo e a razão pensam que ela é. A verdadeira realidade de Deus e de sua salvação é "paradoxal" e oculta nos seus opostos. A razão não é capaz de entender nem de experimentar isso. Julgada pelos padrões da razão e da experiência, ou seja, pelos padrões deste mundo, a verdadeira realidade é irreal e seu exato oposto é real. Somente a fé pode compreender essa realidade verdadeira e paradoxal.
"Somente a fé pode compreender essa realidade verdadeira e paradoxal". Quando Cristo estava morrendo na cruz, a explicação razoável para o fato é que ele seria mentiroso e fracassado. A verdade é que sua magnífica derrota vingou todas as suas palavras e marcou a maior vitória de todos os tempos: a conquista do pecado e da morte. Quando Pilatos e Cristo ficaram frente a frente no dia do julgamento romano, a explicação razoável seria que Pilatos estava no controle e aquele judeu preso estava à mercê de Roma. A cruz me diz, contudo, que as coisas não são o que parecem ser. Na perspectiva da cruz, a realidade é que Cristo estava no controle dos eventos da Sexta-feira Santa, que Pilatos foi conduzido pela força de um Reino e um Rei que ele não conhecia.
Falando sobre os paradoxos de Lutero, Althus conclui: "Crer significa viver em contradição constante com a realidade empírica e confiar no que não pode ser visto". Quando Deus me humilha, a realidade da cruz me faz concluir que ele me exaltará. Por quê? Porque o princípio do paradoxo da cruz reflete a maneira como Deus estruturou toda a realidade. A morte conduzirá à vida. A sepultura se torna um lugar de esperança. O estado atual das coisas será transformado em uma oposição preordenada por Deus. O primeiro será o último e o último, o primeiro. "A fé deve resistir ao ser contrariada pela razão e pela experiência", mas, se persistir, poderá "romper a realidade deste mundo ao fixar seus olhos na palavra da promessa."
*
O Paradoxo da Dor
*
Uma razão, diz Lutero, pela qual as pessoas querem uma teologia da glória, ao invés de uma teologia da cruz, é que "eles odeiam a cruz e o sofrimento". Mas, à luz da cruz, o sofrimento serve a um propósito importante: o cultivo da autonegação. "É impossível para um homem não ficar orgulhoso com as suas próprias boas obras, a menos que a experiência do sofrimento e do mal tenha retirado previamente todo o espírito de seu interior e o quebrantado, ensinando que ele não é nada e suas obras não pertencem a ele, mas a Deus".
O caminho para o Domingo de Páscoa passa pela Sexta-feira da Paixão. Ela nos exalta quando nos humilha. Ela nos esvazia de nossa autoconfiança para que possamos ter confiança em Deus. Ela destrói nossa língua orgulhosa para que possamos nos orgulhar ainda mais de Cristo. Alister McGrath explica:
O homem é humilhado quando experimenta a ira de Deus, sendo forçado a admitir que não pode, por si mesmo, ficar na
presença de Deus — assim, ele se volta para Deus em sua desesperança e impotência, mas ao fazer isso é justificado.
Paradoxalmente, acaba sendo pela ira de Deus que a misericórdia opera, para que o homem não busque essa misericórdia a menos que saiba o quanto necessita dela. Mas o que dizer do sofrimento como parte da vida cristã? Por que Deus nos faz passar por circunstâncias dolorosas e humilhantes após sermos justificados? A resposta é que o padrão da cruz se torna o padrão de toda a minha jornada cristã.
A experiência de aparente abandono por parte de Deus e o desespero que a acompanha será seguida pela surpresa da graça e pela renovação.
McGrath comenta: Enquanto a Sexta-feira Santa dá lugar ao Domingo de Páscoa, a experiência da ausência de Deus começa a assumir um novo significado. Onde Deus estava? Enquanto as testemunhas da crucificação viam a Jesus com arrogância, olhando para os céus à espera de um livramento, elas não viram sinal algum de Deus e presumiram que ele estava ausente [...] A presença de Deus era despercebida, foi menosprezada e ignorada, porque Deus escolheu estar presente onde ninguém esperava encontrá-lo: no sofrimento, na vergonha, na humilhação, na fraqueza e na loucura da cruz de Jesus Cristo.
Deus escolhe continuar presente com seus filhos de maneiras inesperadas. Do mesmo modo como ele estava presente no Cristo sofredor, a presença de Deus em nosso julgamento não é visível a menos que vejamos a sua presença dentro de nossa fraqueza e dor. Por que ele faz isso? Por que ele não faz com que as nossas vidas sejam fáceis e livres de problemas? A resposta de Lutero seria olhar para a cruz.
Deus opera nas vidas das pessoas que ele ama como seus filhos — seja ele Cristo, seu Filho Unigênito, ou a nós, seus filhos adotados — humilhando-os para poder exaltá-los. O padrão da vida cristã, expresso ao longo dos Evangelhos e resumido em Filipenses 2:1-11, é o padrão da humilhação e da exaltação. Esse também é o padrão de Deus para nós.
Quando nossas histórias começam a se conformar com a história
de Cristo, precisamos responder exercitando nossa fé. "A razão se escandaliza com a cruz, mas a fé a abraça com alegria". Confiar que o Deus que nos leva para uma Sexta-feira Santa de dor, rejeição e derrota também nos levará para um Domingo de Páscoa de vitória e contentamento assegura bênção e libertação. A descrença que ignora o significado da dor também ignorará a experiência da exaltação.
O mistério de Romanos 8:17 é revelado pela teologia da cruz desta maneira: "Ora, se somos filhos, somos também herdeiros, herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo; se com ele sofremos, também com ele seremos glorificados".
*
O Paradoxo da Verdade
*
A teologia da cruz transformou de tal maneira o pensamento de Lutero sobre Deus, salvação, realidade e sofrimento que ele declarou: "Somente a cruz é a nossa teologia". Essa declaração dramática parece ser um claro exagero. Afinal, existem tantas outras doutrinas na teologia (Deus, a Criação, a humanidade, o pecado, a Igreja, as últimas coisas) além da doutrina da cruz. O que Lutero estava querendo dizer?
Lutero propõe que a cruz deve mudar a maneira como vemos cada doutrina. Como a cruz pode fazer isso? A cruz nos diz que a revelação do próprio Deus como Criador, Sustentador e Juiz deve ser entendida de uma nova maneira por causa da obra realizada da cruz. Em todas as outras obras de Deus, como a criação e a providência, Deus revela a si mesmo como alguém infinitamente poderoso. Mas na cruz ele se mostra aparentemente fraco, contradizendo, assim, toda a nossa teologia.
Uma reflexão mais aprofundada sobre a cruz contradiz toda doutrina que temos em um sentido particular: a conclusão de que o poder de Deus é revelado diretamente pelas suas ações. A doutrina da criação revela o poder de Deus para fazer as coisas. A doutrina da escatologia revela o poder de Deus para julgar e transformar. Mas a cruz nos mostra algo mais profundo sobre a maneira como Deus revela a verdade sobre si mesmo.
A obra da cruz apresenta indiretamente como Deus trabalha. Deus, em suma, evidencia o seu poder por meio da fraqueza aparente. E mostra melhor a sua sabedoria através da loucura aparente. A plenitude de sua divindade revelou-se paradoxalmente, segundo Colossenses 1:19, na fragilidade da encarnação de Cristo. Deus se revela melhor onde ele está mais oculto.
A cruz é a chave hermenêutica que abre novas dimensões e corrige nossa compreensão em todas as áreas da teologia. Explicando o pensamento de Lutero, Althaus escreve:
Toda a verdadeira teologia é a "sabedoria da cruz"; isso significa que a cruz de Cristo é o padrão para medir todo o conhecimento teológico genuíno, seja a realidade de Deus, de sua graça, de sua salvação, da vida cristã ou da Igreja de Cristo.
A cruz significa que todas essas realidades estão escondidas. A cruz esconde o próprio Deus. Pois ela não revela a força, mas a impotência de Deus. O poder de Deus não aparece de forma direta, mas paradoxalmente, aparentando impotência e solidão.
Portanto, quando os críticos atacam a "mente limitada" dos evangélicos, que insistem em afirmar que somente Jesus é o caminho da salvação neste mundo pluralista, ou em defender a autoridade suprema da Bíblia em um mundo em que muitas autoridades competem entre si, a cruz nos ajuda a reconhecer que Deus não opera como poderíamos esperar. Deus não oferece a verdade salvadora na natureza, da qual podemos esperar que venha uma Palavra universal.
Ele a sussurra para o mundo de um modo totalmente surpreendente e escandaloso, por meio da cruz de Cristo. Toda a nossa teologia precisa ser reinterpretada à luz da cruz porque, no fundo, a verdadeira teologia é a teologia da cruz.
*
O Paradoxo do Ministério
*
Nada é mais poderoso no ministério da Igreja do que a fraqueza. A crise teológica de Lutero aconteceu pela primeira vez durante uma crise ministerial. Ele não conseguia ensinar nada para os outros nem encontrar a paz e a segurança da salvação para si mesmo dentro das tradições da Igreja. A Reforma Protestante foi o resultado da tentativa de Lutero para consertar o ministério da Igreja em todos os seus níveis. O mais impressionante na vida do jovem Lutero (embora tenha ficado mais negativo com o passar dos anos) é que ele nunca desistiu da Igreja. Sua teologia da cruz ajuda a explicar o porquê.
"A Igreja", admitiu Lutero, "pereceria diante dos nossos olhos, e nós junto com ela [...] se não fosse por aquele outro homem [Jesus] que obviamente ainda sustenta a Igreja e a nós". O Cristo morto e ressurreto está trabalhando em meio à fraqueza da Igreja, preparando para mostrar a sua força. De modo similar, o Cristo morto e ressurreto "julga a Igreja onde ela se tornou orgulhosa e triunfante, ou segura e presunçosa, e a chama para voltar ao pé da cruz, onde lembra da maneira misteriosa e secreta que Deus trabalha no mundo".
McGrath explica esse paradoxo final: Na cena de delírio total, de aparente fraqueza e loucura, no
Calvário está o paradigma teológico para compreendermos a presença e a atividade ocultas de Deus neste mundo e em sua Igreja. Onde a Igreja reconhece a sua desesperança e impotência, ali descobre a chave para a continuação de sua existência como Igreja de Deus no mundo. Em sua fraqueza reside a sua maior força. O "Deus crucificado e oculto" é o Deus cuja força está por trás da aparente fraqueza, e cuja sabedoria se esconde por trás da aparente loucura.
A teologia da cruz é, portanto, no passado e no presente, uma teologia de esperança para os desesperados, da aparente fraqueza e loucura da Igreja cristã.
Quando a Igreja perder quase tudo e decidir acreditar radicalmente que o Evangelho da cruz de Cristo continua sendo seu maior tesouro e esperança de sucesso futuro, Deus a exaltará. Mas quando a Igreja perde a sua cruz, trocando-a pelo aplauso desta era ou a medida de sucesso deste mundo, acaba se deparando com um futuro pouco promissor.
A cruz de Cristo nos ajuda a ver isso.
*
A Teologia da Cruz e nossoas Decisões
*
O chamado "ano silencioso" de Lutero, 1518, na verdade foi de fundamental importância. Como uma estrela brilhante, a teologia da cruz de Lutero apontava o caminho para a Igreja atordoada e os cristãos desorientados em um mundo pós-moderno. Mas como os líderes podem traduzir essa grande lição de Lutero em decisões adequadas?
Vamos analisar algumas decisões possíveis que podem liberar o poder da cruz em nossas igrejas, famílias ou organizações.
Uso n° 1: A cruz e a pregação. Quando falo em "pregar a cruz", não quero dizer que deveríamos pregar apenas sermões evangelísticos. O que precisamos é colocar a perspectiva da cruz em tudo o que pregamos.
William Willimon, capelão da Universidade Duke, escreveu sobre a pregação para congregações de pessoas consumistas que parecem desejar mais o entretenimento do que a iluminação. É
fácil para os pregadores cometerem um ou dois enganos ao falar diante desse tipo de congregação. Um dos enganos aparece quando pregam para essa mentalidade consumista os sermões de "alto-astral", que evitam as verdades bíblicas. O segundo engano reside na desistência. Podemos desenvolver uma atitude do tipo "meu povo não se importa com o Evangelho, ele só quer ser entretido".
É impressionante o que Willimon descobriu sobre como podemos derrotar a mentalidade consumista:
Minha prioridade, então, é pregar um sermão que fale sobre o Evangelho, não um discurso que explore as experiências das pessoas. Nas admiráveis tentativas de serem relevantes, escuto muitos sermões que misturam soluções terapêuticas com "princípios" bíblicos, em que a Bíblia acaba soando como a última tendência da psicologia popular.
O que precisamos em nossas igrejas é falar "sobre Jesus Cristo e o que ele fez por nós, e o que ele nos chama para fazer por ele e um pelo outro". Quando levantamos a cruz a cada semana como o único caminho para a salvação e única maneira de ver, transformamos nosso público em uma igreja e os consumistas em comprometidos.
Conforme escreveu David Wells: "A Igreja é chamada para anunciar a mensagem da cruz, não para encobrir os propósitos ocultos de Deus no mundo ou os segredos de sua terapia interior".26 Devemos trazer as pessoas para baixo da cruz, e somente então poderemos enviá-las para o mundo.
Uso n° 2: A cruz e o conhecimento teológico. Se a teologia geralmente for desprezada em nossas igrejas e organizações, o mesmo ocorrerá com a teologia da cruz. Contudo, se incentivarmos a necessidade de nosso povo por doutrina, a teologia da cruz se propagará.
George Barna descreveu a "teologia do típico americano" como "nada menos do que assustadora". Qual o problema?
A falta de um conhecimento preciso sobre a Palavra de Deus, seus princípios de vida e a aparente ausência de influência da Igreja sobre o pensamento e o comportamento desta nação compõem um despertar abrupto para os que presumem estarmos em meio a um avivamento espiritual.
Esse desvio teológico também ocorre em meio aos evangélicos. Denominações que antigamente eram conhecidas pela sua defesa da fé agora falam apenas sobre "fazer o marketing" de suas igrejas e "organizar a vida das pessoas". No entanto, "valorizar a teologia", argumenta David Wells, "é valorizar o meio pelo qual a Igreja pode se tornar mais fiel e mais eficaz neste mundo".
Felizmente, as estruturas para que essa renovação teológica ocorra já estão estabelecidas. As classes de escola bíblica dominical e as reuniões em grupos pequenos no meio da semana são comuns.
Existe abundância de material bíblico bem preparado que poderia ser estudado nesse tipo de encontro. Talvez A Cruz de Cristo*, de John Stott, seja um bom lugar para começar. Novos métodos estão fazendo com que o estudo teológico seja mais acessível para um número maior de pessoas. É o caso da teologia das narrativas, que utiliza a técnica de recontar as histórias bíblicas para comunicar verdades teológicas.
Quando a teologia fizer a diferença, a teologia da cruz fará uma diferença ainda maior. Os líderes sábios devem ter sempre em mente o alerta de Lutero de que a teologia da glória causará mais mal do que bem. Assim, darão passos práticos para o aumento do nível de conhecimento teológico de sua congregação.
Uso n° 3: A cruz e o culto. O que as pessoas precisam quando estão sentadas nos bancos da igreja, em um domingo, às 11 horas da manhã? Algumas estão cheias de tédio, a maioria procura porém algum tipo de contato com Deus, embora muitas já tenham desistido de esperar por isso. O que se pode oferecer a elas não é somente uma mensagem de "alto-astral", dizendo que "tudo vai dar certo". É possível lembrar-lhes do que aconteceu no final de semana mais importante
da história, que mudou para sempre as esperanças de futuro dos pecadores.
Quando a cruz é levantada com orações de confissão, hinos e músicas de louvor, sermões encharcados de Cristo e outros elementos que olham para a vida com a perspectiva da grandeza que a cruz representa, acontece algo diferente com as pessoas. As realidades da Sexta-feira da Paixão que todos estão vivendo se transformam em possibilidades de manhãs de Páscoa, que poucos ousavam esperar.
"Não há situações desesperadoras", escreveu Winifred Newman, "apenas pessoas que já não têm mais esperança". A adoração centrada na cruz transforma as pessoas sem esperança em adoradores confiantes.
Optar por colocar isso em prática é uma oportunidade que não se pode desperdiçar.
Uso n° 4: A cruz e o convívio com as pessoas. Em determinados momentos, as pessoas me frustram, porque nem sempre querem o mesmo que eu. Amigos me decepcionam, filhos arraigados às suas próprias idéias, alunos desatentos que às vezes não acompanham meus ensinamentos. Em outras ocasiões, tenho a tentação de desistir de certas pessoas, considerando-as incorrigíveis, casos perdidos.
Mas Deus não me deixa fazer isso. A cruz me lembra de que as frustrações da Sexta-feira da Paixão estavam conquistando uma vitória secreta, que somente seria revelada na manhã do Domingo de Páscoa.
Deus pode fazer grandes coisas por meio de um aluno indisciplinado, uma criança teimosa ou um amigo insensível. Ele pode fazer algo maravilhoso nas vidas dessas pessoas e usar o que, aos meus olhos, é "fraco e louco" para confundir os sábios. A cruz me lembra de que eu era "fraco e louco" aos olhos de Deus, e mesmo assim o Senhor me escolheu para fazer algo para ele.
A cruz me faz ser proativo e opera contra minhas tendências reativas de desistir dos seres humanos. Tome a decisão de olhar para as pessoas problemáticas de sua igreja ou organização com novos olhos, lembrando da cruz.
Uso n° 5: A cruz e a realidade objetiva. Os líderes de organizações cristãs podem pensar de que maneira a cruz se relaciona com o levantamento de fundos e as realidades práticas da administração de uma organização cristã. É verdade que marketing, promoções, administração ao estilo dos negócios e boa mordomia são elementos necessários se desejamos ser eficazes nesses tempos competitivos. Mas cada um desses recursos deve ser analisado pela perspectiva da cruz.
Muitas organizações cristãs americanas foram atingidas pela falência de uma organização filantrópica chamada New Era em 1995. Milhões de dólares foram perdidos. Muitas organizações e igrejas cristãs ficaram abaladas.
Líderes de algumas dessas organizações se preocuparam com a recuperação dos prejuízos. Pessoas foram demitidas; programas cortados. Ministérios se enfraqueceram. Outros se concentraram no padrão estabelecido pela cruz e viram nessa experiência de perda financeira uma oportunidade para exercitar a fé. Eles acreditaram que as experiências do tipo "Sexta-feira da Paixão" podem ser ocasiões para vitórias secretas, embora pareçam derrotas para o mundo. A fé exercitada acabou sendo recompensada, e algumas organizações saíram do desastre da New Era com sua energia, visão e força renovadas.
A decisão de filtrar a realidade objetiva pela perspectiva da cruz foi um fator importante em sua renovação. Quando surgem crises ou restrições financeiras, temos a oportunidade de experimentar vitórias secretas. Mas os líderes devem decidir que exercitarão a fé em meio aos eventos desanimadores e esperar que Deus ajuste a nossa realidade presente às realidades supremas da cruz.

Penhascos e portais
*
Lembro de uma complicada viagem de canoa que fiz há muitos anos com meu cunhado, John. Nós separamos uma semana de nossas férias para atravessar de canoa o trecho que ia do norte de Ontário até a baía Hudson. Dormimos em acampamentos desconfortáveis, tivemos a canoa inundada, descemos corredeiras difíceis e percorremos longos trajetos levando a canoa por terra. Porém, o episódio mais bizarro dessa viagem ocorreu quando perdemos o rio. Como você pode perder o rio quando está remando dentro dele? Fácil. Em um certo ponto, o rio fora inundado por uma represa e se transformou em um lago imenso. Acabamos perdendo a correnteza. Estávamos perdidos.
Depois de ficar dois dias remando de um lado para outro no lago, estudando o mapa e consultando nossa bússola, concluímos que o rio devia retomar o seu curso em um canto distante de uma determinada baía. Embora olhássemos para as margens, não encontrávamos uma saída. Tudo o que conseguíamos ver era um penhasco alto, se erguendo sobre nós como uma fortaleza. De onde estávamos, era impossível divisar uma saída para o rio.
Decidimos insistir. Fomos nos aproximando do penhasco e, quando demos a volta, para nossa surpresa, avistamos uma passagem estreita, que margeava a rocha e conduzia a uma continuação do rio do outro lado. Aquele penhasco, antes uma barreira para nossa jornada, em
verdade se transformou num portal que possibilitou a continuação de nossa viagem.
Acredito que a cruz seja como aquele penhasco. A princípio, ela não parece guardar os segredos de uma jornada pela vida. Ela se mostra até insignificante para muitos de nossos planos e necessidades.
Contudo, ao explorá-la mais de perto, nos é revelado um extraordinárioparadoxo. Essa barreira pouco promissora na verdade se torna umportal para o crescimento e o progresso em todas as áreas da vida.
Quando John e eu terminamos nossa viagem de canoa, chegamosao final do rio na cidade canadense de Moosenee. Então, tomamos otrem da Polar Bear Express, que nos levou de volta àquelas partes dorio por nós percorrido. Aquela viagem de canoa que fizemos agoraparecia fácil. As correntezas, os longos trajetos carregando a canoa namão onde o leito estava muito raso, os acampamentos de chão irregular,tudo ficara para trás.
Embora esses fatos fizessem parte do passado, lá fora, no meioda imensidão escura, existia um pequeno fio de água que fizeranossa viagem de volta para a civilização parecer mais um triunfo do que uma derrota.
Explorar aquela passagem improvável foi a melhor decisão tomada durante nossa viagem. Assim como as estradasdivergentes de Robert Frost, aquela decisão fez toda a diferença.
1. Um texto-chave para a teologia da cruz de Lutero é 1 Coríntios 1:18-31. Quantos paradoxos você consegue identificar nessapassagem? Como a cruz gera esses paradoxos?
2. Qual dos seis paradoxos de Lutero é o mais relevante paravocê e sua igreja neste momento? Por quê?
3. Quais das cinco aplicações podem ser as mais proveitosas paraa sua igreja neste momento? Por quê?

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home